26 de abril de 2009


Era um daqueles dias em que o passado
por algum motivo resolvia bater à porta.

E ela se perguntava em que ponto teria havido
o erro.
O ponto crucial que não permitiu recomeços, e nem esperanças.

E se tivesse havido mesmo esse ponto, ela precisava saber.

Para que pudesse cuidar que não mais acontecesse novamente.

Não ali, ainda tão cedo.
E era exatamente assim que o medo se instalava.




4 comentários:

Glau Ribeiro disse...

Talvez não, Jana. Talvez não seja necessário saber. Talvez o erro não tenha sido somente dela. Talvez não exista erro. E talvez era assim mesmo que tinha que acontecer. E ela não precisaria sentir medo, porque nunca é tarde para recomeços. Nunca é, Jana.

Bêeejo, fofura minha!

meus instantes e momentos disse...

lindo teu texto, parabens , Gostei daqui.
Tenha uma bela noite,
Maurizio

Fee disse...

Ô, garota, você escrebe bonito demais. Sabe que dia desses eu tava voltando para casa, de ônibus, e lembrei de ti. Pensei: "depois daquela vez, nunca mais conversei com o menina do maisum" rsrs
Vamos papear um dia desses... e vamos esquecer o medo!!

Beeeijo :*

Sophia Vieira disse...

impossível ter a certeza de que se agiu sempre de maneira certa, mas tem coisas que realmente inquietam mais...
gostei! =)
bjo